O curta metragem “Vida Maria” produzido por Marcio Ramos, Premiado no 3º Prêmio Ceará de Cinema e Vídeo, nos possibilita muitos e variados olhares.
Elegemos evidenciar o impulso intrínseco da alma em busca de diferenciação. Há algo singular dentro do ser que o impele para o movimento, para as constantes superações. Entretanto, condições desfavoráveis, sobretudo, se nascidas e perpetuadas dentro da linhagem e ancestralidade familiar, podem fazer adormecer o ímpeto e, desta forma, inviabilizar as transformações necessárias. Nestas circunstâncias, determinados comportamentos são repetidos incessantemente, estagnando as possibilidades de renovação. Entretanto, com esforços extraordinários e determinação é perfeitamente possível escapar dos campos gravitacionais gerados pela tradição. Podemos mudar o rumo de nossa existência a qualquer momento. Para tanto, precisamos nos instrumentalizar para que isto ocorra.
Instrumentalizar? Sim. Mediante determinados exercitamentos podemos “baixar no google psíquico” aplicativos que nos possibilitam realizar ações alquimizadoras em nosso destino. Um destes “aplicativos” é o extraordinário arquétipo do aprendiz que deve, necessariamente, sobreviver à inflação produzida pelo conhecimento racional (que acorda em nós o “sabidinho”) e também sobreviver aos efeitos diluentes da tradição sobre a individualidade.
Em Vida Maria podemos observar os dois fenômenos: o arquétipo do aprendiz que renasce a cada nova geração e a sua diluição já em seus primórdios.

Ficha Técnica
Um filme de: Márcio Ramos
CG: Márcio Ramos
Produção: Joelma Ramos
Co-produção: Trio Filmes
Premiado no 3º Prêmio Ceará de Cinema e Vídeo, realizado pelo Governo do Estado do Ceará.